USP Analisa discute desarmamento e combate à violência

Programa, que vai ao ar nesta sexta, 31 de março, entrevista os docentes Sérgio Kodato, da FFCLRP, e Víctor Gabriel Rodríguez, da FDRP

Catorze anos depois de sua aprovação, o Estatuto do Desarmamento corre o risco de desaparecer. Além de ter passado por diversas alterações, que acabaram introduzindo permissões de porte de armas a diversas categorias, ainda há um projeto de lei para revogá-lo e instituir uma legislação bastante branda em seu lugar.

Para discutir os efeitos do Estatuto e sua relevância no combate à violência, o USP Analisa desta sexta, 31 de março, conversa com estudiosos da violência, os professores Sérgio Kodato, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, e Víctor Gabriel Rodríguez, da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP.

“Em um primeiro momento, o estatuto levou à redução do porte, da circulação e das mortes por armas. Depois, essa força arrefeceu e outros fatores, como a crise econômica e o crime organizado, contribuíram para um aumento”, explica Kodato.

Para Victor, o estatuto não foi eficaz. “Para o crime organizado, soou como ‘a população está desarmada e não pode reagir’. Claro que o caminho civilizatório é não ter armas, mas a questão é que armamos o crime organizado e a própria polícia anda acuada no sentido de ocupar território”, afirma ele.

Os especialistas ressaltaram a necessidade de aproximar o cidadão da força policial, para que ele se sinta seguro ao denunciar crimes. “No Japão, por exemplo, a polícia é comunitária e está a serviço da população”, conta Kodato.

O programa vai ao ar nesta sexta, dia 31, a partir das 12 h. O USP Analisa é uma produção conjunta da USP FM de Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Mais informações: thcardoso@usp.br

Por:  Thaís Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *