Fermentado de soja estimula a produção de colágeno

Fórmula desenvolvida nos laboratórios da USP de Ribeirão Preto pode revolucionar tratamentos contra envelhecimento da pele

Durante a menopausa, o organismo feminino apresenta redução na produção de hormônios, que está relacionada com aparecimento de rugas e diminuição da espessura da pele. Pesquisas sobre o tema indicam que o colágeno – proteína responsável pela qualidade estrutural e elástica da pele – pode diminuir até 30% nos cinco primeiros anos deste período da vida da mulher.

Substâncias extraídas da soja, isoflavonas – daidzeína e genisteína, são amplamente estudadas por possuírem estrutura e função semelhantes aos do hormônio estrogênio. Pesquisadoras da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP desenvolveram fórmula específica, enriquecida com essas substâncias, e demonstraram sua eficácia na produção de colágeno. O produto, na forma de gel, foi capaz de atingir derme e epiderme e aumentar a produção de colágeno em fibroblastos humanos – células presentes na derme com função principal de sintetizar colágeno e elastina.

_DSC6294O achado faz parte do doutorado de Bianca Stocco (ao centro na foto), orientada pela professora Maria Regina Torqueti (dir. na foto), e deve, segundo as pesquisadoras, contribuir para prevenção e tratamento do envelhecimento da pele. “Algumas empresas cosméticas já utilizam a soja em dermocosméticos devido ao conhecido efeito antioxidante proporcionado pelas isoflavonas da soja, mas este é o primeiro estudo a demonstrar que um extrato de soja rico em isoflavonas é capaz de estimular a produção de colágeno”, diz a professora Maria Regina.

Para esses resultados, Bianca avaliou a ação das substâncias contidas no extrato de soja biotransformado, produzido exclusivamente na FCFRP. A fórmula ideal foi obtida com extrato elaborado no laboratório da professora Maria José Vieira Fonseca (esq. na foto), colega da professora Maria Regina na FCFRP. Maria José estuda há mais de dez anos o pó do grão de soja. Nos testes para este trabalho, adicionou fungos que foram especialmente manipulados para um extrato com maior concentração de fitoestrógenos.

Bianca observou que a fórmula é capaz de estimular a produção de colágeno em fibroplastos, quando aplicada por via tópica (espalhada sobre a pele), e que este efeito “pode estar relacionado com a ligação da genisteína a receptores de estrogênio”.

Mas as pesquisadoras lembram que os homens também devem se beneficiar da propriedade do produto. É que esses mecanismos podem relacionar ainda a proteção contra o estresse oxidativo e a expressão de enzimas antioxidantes que impedem a ação de enzimas que degradam o colágeno; todas propriedades dos fitoestrógenos de soja.

Dermocosmético de soja biotransformada

Os testes envolveram a produção de cinco diferentes extratos biotransformados e a identificação daquele com maior concentração de isoflavonas, principalmente genisteína, “a qual possui maior capacidade de interagir com receptores de estrógeno presentes na pele”, conta Bianca. A comprovação de que o extrato não é tóxico para as células veio do estudo realizado com dois tipos de fibroblastos: de uma linhagem de camundongo e outro de um fibroblasto humano.

Ao gel, o veículo escolhido para a fórmula, foi adicionado 3% do extrato biotransformado de soja. Bianca informa que a concentração de isoflavonas encontradas na derme e epiderme, quando a formulação contendo 3% do extrato de soja é aplicada na pele, é a concentração específica capaz de estimular a produção de colágeno. “Concentrações maiores ou menores não foram capazes de promover estímulo na produção de colágeno, o que demonstra que o estímulo é dose-específico”, continua a pesquisadora.

No momento, o produto se encontra em fase de transferência tecnológica pela Agência de Inovação da USP. Como o Brasil é o terceiro maior consumidor mundial de cosméticos e produtos ligados à beleza – fica atrás apenas dos Estados Unidos e da China, segundo dados da Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), e o segundo maior produtor de soja do mundo -, o mercado deve esperar por novidades.

Mais informações: e-mail: bianca.sto@hotmail.com

Por: Crislaine Messias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *